artigo
imprimir

Os benefícios do exercício na diabetes

O exercício físico é um componente importante na prevenção e tratamento da diabetes, mas sabe porquê? Descubra qual o papel do exercício na diabetes e os seus benefícios.

Manter uma vida ativa é bom para qualquer pessoa – e para uma grande variedade de condições de saúde – mas é sobretudo importante para quem tem diabetes ou está em risco de vir a ter. Não é por acaso que na hora de escolher um tratamento, o exercício na diabetes é uma recomendação frequente.

 

De acordo com a American Association of Diabetes (ADA), o exercício ajuda a reduzir os valores de glicose no sangue (glicemia) no curto prazo porque:

 

  • Aumenta a sensibilidade do organismo à insulina, hormona produzida pelo organismo (ou administrada como parte do tratamento) que faz com que as células consigam captar a glicose do sangue. Com o aumento da sensibilidade à insulina, as células dos músculos conseguem utilizá-la melhor e captar a glicose durante e após o exercício. Hoje, sabe-se que um dos efeitos imediatos do exercício físico é que pode levar a uma melhoria na ação da insulina que dura entre 2 a 72 horas;

 

  • Perante a atividade física, os músculos contraem, fazendo com que as células sejam capazes de captar glicose para utilizar como fonte de energia, mesmo quando a insulina não está presente.

 

Além disso, no longo prazo, quando a prática de exercício na diabetes é regular, poderá inclusivamente reduzir a hemoglobina A1c. Os estudos mostram-nos ainda que as pessoas com diabetes tipo 2 que são acompanhadas durante o treino têm um melhor controlo dos níveis de glicemia do que as que fazem treinos sem supervisão.

Os benefícios adicionais do exercício na diabetes

Além de influenciar diretamente a glicemia, há outros benefícios importantes do exercício para quem tem diabetes ou outras condições de saúde:

 

  • Ajuda a regular a pressão arterial, o que é importante para reduzir o risco de doença cardiovascular e de outras complicações da diabetes;

 

  • Leva à redução do colesterol «mau» (colesterol LDL) e ao aumento do colesterol «bom» (colesterol HDL), ajudando por isso a reduzir também o risco de doenças cardiovasculares;

 

  • Ajuda a reduzir o peso, se esse for um objetivo do tratamento, ou a manter um peso saudável;

 

  • Aumenta a energia e ajuda a manter a flexibilidade;

 

  • Melhora a qualidade do sono e das articulações;

 

  • Reduz o stresse e ajuda a melhorar o humor, ao libertar endorfinas (as chamadas hormonas da felicidade).

 

artigo

23.

A diabetes e o ginásio: os cuidados a ter

Compreender os efeitos do exercício no organismo

A relação entre os benefícios do exercício e a diabetes depende de vários fatores, a começar pela frequência e intensidade da atividade física. Não existe um tipo de exercício que seja mais ou menos adequado para quem tem diabetes. O ideal será:

 

  • Conversar com o seu médico para saber se tem recomendações especiais para o seu caso, tendo em conta o seu historial de saúde;

 

  • Descobrir o tipo de exercício que melhor se adequa, tendo em conta os seus gostos, a sua rotina e o tempo que tem disponível;

 

  • Tentar misturar entre diferentes tipos de atividade física, com exigências diferentes.

 

Os efeitos do exercício físico variam de pessoa para pessoa. Por isso, é importante que perceba de que forma o exercício físico afeta o seu organismo, a sua glicemia e o seu dia a dia. 

 

Experimente fazer medições da glicemia e registar os valores antes e depois de cada sessão de atividade física: não só o ajuda a perceber os benefícios do exercício, como quais os exercícios que mais influenciam a sua glicemia. Além disso, ter noção dos seus valores de glicemia vai ajudá-lo a tomar as rédeas da diabetes caso subam ou desçam demasiado.

 

Fontes

Referências

  • American Diabetes Association (ADA)
  • Diabetes UK
  • Harvard Medical School
  • Colberg, et al 2010
artigo
imprimir
anterior seguinte