Pub
Pub
artigo
imprimir

Devo abordar a diabetes na escola?

A escola é um desafio para qualquer criança ou adolescente. Se ele ou ela tiver diabetes, mais desafiante se torna. O papel dos pais é, por isso, ainda mais significativo. Mas o que fazer? E terá a escola algum papel a desempenhar?

Ser pai de uma criança com diabetes é um desafio. Há muitas coisas a considerar e a responsabilidade de que tudo corra bem é, certamente, exigente. Essa exigência prende-se com as várias coisas que há para ter em conta e as múltiplas questões que vão surgir ao longo do processo: que tipo de alimentação devem os meus filhos ter? Como vou fazer para controlar os seus níveis de glicemia? E será que eles vão saber lidar com o facto de saberem que são diabéticos? Como sei que vão ter o cuidado adequado na escola? E será que devo abordar a diabetes na escola? E, além disso, deve a escola adotar medidas especiais para lidar com a diabetes do meu filho? É, sobretudo, sobre estas últimas questões que este artigo se irá debruçar.

A diabetes tipo 1 na escola

Todas as crianças e adolescentes com diabetes tipo 1 passam grande parte do dia na escola, a brincar, a aprender e a relacionar-se socialmente. Este é, contudo, um desafio acrescido para os pais ou cuidadores, a equipa de saúde e, claro, os profissionais de educação.

 

Porquê a diabetes tipo 1? É o tipo de diabetes que aparece geralmente na infância ou adolescência, e que por isso não está relacionado com o estilo de vida, mas sim com a ação do corpo em destruir as células que produzem insulina. A consequência: a diabetes e a necessidade de tomar insulina.

 

As preocupações que devem ser tidas em conta giram, sobretudo, à volta de 3 eixos fundamentais:

 

  • Atividade física;
  • Alimentação saudável;
  • Tratamento com insulina.

 

Estes 3 pontos têm de ser uma preocupação ao longo de todo o dia. E, naturalmente, geram dúvidas e inquietações, quer à comunidade escolar, quer aos pais e encarregados de educação.

Um dever de todos

As crianças e jovens com diabetes tipo 1 adquirem progressivamente autonomia na gestão da diabetes. No entanto, mesmo quando os adolescentes atingem a capacidade de controlar a sua diabetes, é um dever da escola oferecer a todas as crianças e jovens com diabetes as mesmas oportunidades que aos demais colegas e amigos. Para isso, devem providenciar as condições e ferramentas necessárias para a gestão saudável e harmoniosa da sua doença. Devem evitar, por exemplo, situações de hiperglicemia e hipoglicemia.

 

Por seu lado, os profissionais de saúde devem fornecer informação (e mesmo formação) que permita incluir a criança em todas as atividades da escola. Por fim, mas não menos importante, também os pais devem ter um papel ativo nessa adequação.

Diabetes na escola: o papel dos pais

Por todos estes motivos, a Direção-Geral de Saúde (DGS), em parceria com a Direcção-Geral de Educação (DGE), criou um documento orientador com conselhos para todos os intervenientes.

 

Antes de mais, deve ser desenvolvido um Plano de Saúde Individual para a criança com diabetes em conjunto com a equipa de saúde e da escola. Neste plano, estabelecido de acordo com as recomendações internacionais, devem constar instruções específicas sobre:

 

  • Contactos em caso de emergência;
  • Monitorização da glicemia;
  • Administração de insulina, (incluindo doses e horário de administração);
  • Planeamento das refeições principais e intercalares;
  • Sintomas e tratamento da hipoglicemia e hiperglicemia;
  • Participação em atividade física e atividades extracurriculares;
  • Nível de autonomia da criança/jovem na gestão da diabetes.
artigo

206.

Alimentação saudável, crescimento saudável

Os pais ou encarregados de educação, enquanto cuidadores principais, constituem um elo essencial na comunicação entre educação e saúde, comprometendo-se a:

 

  • Informar a escola do diagnóstico;
  • Facultar à escola informação que permita o acompanhamento da criança/jovem;
  • Participar na elaboração do Plano de Saúde Individual e manter a sua atualização;
  • Garantir, diariamente, o transporte, manutenção e renovação de todos os materiais e equipamentos necessários à gestão da diabetes.

 

Por fim, o mais importante é garantir que as crianças e jovens com diabetes poderão participar integralmente e de forma segura na vida escolar – vivenciando-a da forma mais normal possível.

Fontes

Referências

  • Diabetes UK
  • DireçãoGeral de Saúde (DGS)
  • Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP)
artigo
imprimir
anterior seguinte