Pub
Pub
artigo
imprimir

Diabetes na adolescência: aprender a viver com doença crónica

Sabemos que ser pai de um adolescente não é fácil. E no caso de um adolescente com diabetes, a preocupação é ainda maior. Neste artigo damos-lhe algumas ferramentas para abordar junto dos jovens o tema da diabetes na adolescência.

Durante a adolescência, os jovens estão a dar passos cada vez mais largos para entrar na idade adulta. Querem saber tudo, viver experiências novas e assumir o controlo das suas vidas. É uma altura de descobertas, erros e muitas aprendizagens. O atrevimento e a despreocupação podem estar à flor da pele. Mas no caso do jovem com diabetes, é preciso ter consciência e estar atento. No entanto, não há que fazer da doença um drama! Com um bom controlo da diabetes e adotando algumas estratégias simples é possível ter uma adolescência normal.

Conhecer a doença é o primeiro passo

Se o adolescente foi diagnosticado em criança, é possível que já conheça bem a doença. E até as reações e necessidades do próprio organismo. Isto permitirá, em princípio, um melhor controlo da diabetes.

 

No caso de ser um diagnóstico recente, tanto a família como o jovem terão muito que aprender. Não se assustem. Respirem fundo, confiem na equipa de saúde. Leiam fontes de informação credíveis. Atualmente, existe muito boa informação sobre a diabetes. E é perfeitamente possível ter uma boa qualidade de vida, sempre que se consiga fazer um bom controlo da doença.

 

Ainda assim, seja um diagnóstico antigo ou recente, não será fácil lidar com a diabetes na adolescência. Mas não tem de ser complicado.

 

Acima de tudo, há que dar ao jovem os conhecimentos necessários para que ele aprenda gerir a sua diabetes. Saber as características da doença mas não só. É importante que ele saiba o que pode influenciar a glicemia (nível de açúcar no sangue). Noitadas, esforços físicos, álcool, drogas e tabaco podem ter efeitos na doença. É preciso confiar que, com as informações em seu poder, este será capaz de tomar as melhores decisões.

 

Como falar com o adolescente sobre a diabetes

 

  • Encare a situação com firmeza e realismo, mas sem dramatizar;
  • Não queira controlar tudo;
  • Pesquise antes da conversa. Não vai saber tudo, mas é importante saber o básico e que podem procurar juntos mais informação;
  • Parta para a conversa com confiança;
  • Escolha um momento com tempo, calma e sem distrações;
  • Por vezes, é mais fácil falar de temas sérios quando a situação não exige um «confronto». Evite o «olhos nos olhos». Saiam para uma caminhada, ou abordem o tema enquanto cozinham lado a lado.
  • Não tenha medo de procurar ajuda. Convide um tio, a madrinha ou padrinho, ou alguém de confiança com quem o jovem se sinta à vontade.
  • Evite «ralhar» ou trazer outros assuntos para a conversa;
  • Lembre-se: vai dar ao jovem as ferramentas para que ele esteja informado, conheça os riscos e possa tomar as suas decisões.

 

Diabetes na adolescência: temas a abordar

 

A adolescência traz o princípio da independência e o aumento das responsabilidades. Com isto, há, por um lado, um aumento do número de horas de estudo e a prática de passatempos e desportos que exigem mais do jovem a nível físico.

 

Por outro, sejamos realistas: começam também as saídas e festas. O que traz acesso facilitado a substâncias «proibidas» e tentadoras como o tabaco, álcool e drogas. As proibições costumam ter o efeito contrário. E também não é justo que impeça o jovem de ter uma vida o mais normal possível devido à diabetes. Explique-lhe o que é a doença e de que forma estas situações a podem influenciar. Assim ele terá nas suas mãos o controlo da situação.

 

O que é a diabetes

 

Comece por se assegurar que o adolescente sabe as bases da sua doença. Ele deverá saber que basicamente, na diabetes o corpo não tem a capacidade de controlar o açúcar no sangue (glicemia). Isto leva facilmente a episódios de hiperglicemia (níveis elevados de açúcar no sangue). E também de hipoglicemia (níveis demasiado baixos de açúcar no sangue).

 

Este desequilíbrio pode ter consequências graves se não for controlado. Em casos extremos pode levar a desmaios e quedas. Até mesmo ao coma e necessidade de hospitalização.

artigo

249.

O que é o coma diabético?

Por outro lado, com uma alimentação adequada e toma da medicação prescrita é possível controlar a doença. Aprender a reconhecer os sintomas das hiper e hipoglicemias também é importante para atuar a tempo e evitar episódios graves.

 

Diabetes e esforços físicos

 

Qualquer esforço físico mais intenso, consome glicose (açúcar). Além disso, o esforço aumenta a sensibilidade à insulina. Isto não significa que não se possa praticar um desporto. Simplesmente, há que estar atento aos níveis de glicemia. Não saltar refeições. E ter sempre à mão snacks com hidratos de carbono para ingerir em caso de emergência.

 

Diabetes e saúde íntima e sexual

 

A diabetes aumenta a predisposição para a candidíase. Manter a doença sob controlo é essencial para evitar esta infeção fúngica. É mais comum nas raparigas, mas também afeta os rapazes. A diabetes não interfere com os métodos contraceptivos, nem com a fertilidade. Por isso é importante que os jovens conheçam as suas opções.

 

Diabetes e o tabaco

 

A diabetes é uma doença crónica (para a vida). Com o tempo, acaba por causar danos um pouco por todo o organismo. O tabaco já é suficientemente prejudicial à saúde por si só. Juntá-lo à diabetes é péssima ideia. As pessoas com diabetes que fumam, duplicam a probabilidade de virem a desenvolver doenças do coração e problemas de circulação (que podem levar a amputação). Isto em relação a pessoas com diabetes que não fumam.

 

Diabetes e o álcool

 

Como interfere com o fígado, o álcool é uma grande causa de hipoglicemias. Isto porque inibe a libertação de glicose por parte deste órgão. Ora, no caso de o adolescente fazer insulina, esta situação pode ser grave. A não libertação de glicose pelo fígado conjugada com a insulina em circulação leva então à hipoglicemia grave. Além disso, ao interferir com o fígado, o álcool tem efeito sobre a medicação da diabetes. Mais um fator para desregular os níveis de açúcar no sangue.

 

Outro grande perigo é desconsiderar que os efeitos do álcool no organismo podem durar várias horas. O consumo de álcool é também o grande causador de hipoglicemias noturnas. Por isso, depois de beber, é importante nunca ir para a cama sem comer algo com hidratos de carbono.

 

Por outro lado, o álcool é enganador! Muitas bebidas contêm açúcar, o que pode fazer aumentar momentaneamente a glicemia. Com base nessa leitura, a pessoa com diabetes tem tendência a, por exemplo, tomar mais insulina. Isto é um erro, tendo em conta que mais tarde o álcool vai causar hipoglicemia.

 

O álcool também causa desidratação. É importante alternar a ingestão de água para prevenir esta situação. Para quem tem diabetes, feita a escolha de beber álcool, é muito importante ir monitorizando a glicemia. Principalmente antes de ir dormir e ao acordar. E nunca esquecer a toma da medicação. Nem de comer! Seja antes e enquanto bebe, como antes de ir dormir.

 

Diabetes e as drogas

 

Dependendo do tipo, quantidade e pureza da droga, estas vão ter efeitos diferentes em cada pessoa. E na sua diabetes. É importante ter a noção de que:

 

  • Cannabis: a muitas pessoas, aumenta-lhes o apetite. Esta necessidade de petiscar pode afetar a glicemia. Além disso, o sentimento de «desprendimento» pode fazer com que se esqueçam de tomar a insulina.
  • Drogas alucinogénicas, como o LSD: causam «trips» que podem durar até 12 horas. Também aqui, existe o risco de esquecimento da toma da medicação ou mesmo de fazer as refeições devidas.
  • Estimulantes, como extasy – fazem com que se consiga dançar horas seguidas sem parar. Além do esforço físico, podem causar desidratação. Principalmente se misturados com álcool. Também suprimem o apetite. A combinação de todos estes fatores pode levar a hipoglicemias severas.

 

Tem um adolescente com diabetes? Seja paciente. Escute. Explique. Não aterrorize nem proíba. Isso pode gerar rebelião, revolta e medo. Peça ajuda ao resto da família e à equipa de saúde. Eduque, partilhe informação, resolva dúvidas. O que não souber, procurem juntos. Seja positivo. Apesar de desafiante, não tem por que ser um drama. Mostre o seu apoio e esteja lá para ajudar. Confie que é possível lidar de forma saudável com a diabetes na adolescência.

 

Por fim, adira à comunidade Diabetes 365º!

Referências
  • Diabetes UK

  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

  • Diabetes.co.uk

  •  

artigo
imprimir
anterior seguinte