artigo
imprimir

Qual a influência da diabetes na saúde dos rins?

À diabetes estão associadas várias complicações no longo prazo. Um dos órgãos mais afetados quer pela diabetes, quer pela hipertensão é o rim. Descubra qual o verdadeiro impacto da diabetes na saúde renal.

Patrocinado por

A nefropatia diabética, ou doença renal associada à diabetes, ocorre em aproximadamente 20 a 40 % das pessoas com a doença. Ou seja, podemos dizer que é uma das complicações no longo prazo mais comuns na população diabética.

 

Mas por que razão há uma relação entre a diabetes e a saúde dos rins? A origem do problema está nas alterações vasculares provocadas pela diabetes nos rins.

Antes de mais, relembremos algumas noções sobre doença renal crónica…

  • Na doença renal os rins perdem a capacidade de filtrar o sangue devidamente.

 

  • A doença renal crónica pode demorar anos e anos a estabelecer-se (cerca de 10 em pessoas com diabetes tipo 2!). E, além disso, os danos provocados não são, regra geral, reversíveis.

 

  • Muitas pessoas com diabetes podem inclusivamente já apresentar doença renal no momento do diagnóstico. Isto porque, nas fases iniciais da doença, sobretudo, podem não existir quaisquer sinais ou sintomas. Ou seja, a doença pode estar a progredir de forma silenciosa.

 

  • Se a doença continuar a progredir, poderá haver uma acumulação de substâncias no organismo como, por exemplo, ureia e creatinina. Substâncias essas que deveriam estar a ser eliminadas se o rim estivesse a filtrar bem o sangue. A acumulação destes compostos poderá resultar em inchaço ou edema nos tornozelos, face ou zona abdominal, perda de apetite, fadiga, entre outros sintomas.

 

  • Pessoas com doença renal crónica têm um risco maior de vir a sofrer de doença cardiovascular. Além disso, muitos doentes acabam mesmo por sucumbir devido a complicações cardiovasculares e não à progressão da doença renal.

 

  • É importante avaliar de forma periódica a função renal através da análise da taxa de filtração glomerular estimada (TFGe) e da deteção de proteínas na urina (proteinuria).

De que forma a diabetes influencia a saúde dos rins?

A relação entre diabetes e doença renal, apesar de bem conhecida, é também complexa. Os níveis de glicemia elevados de forma constante obrigam o rim a trabalhar mais para cumprir a sua função de filtração do sangue. Ao longo do tempo, este esforço impõe um stresse mecânico que altera estruturalmente o rim, reduzindo a TFGe e conduzindo a:

 

  • Deteção de albumina na urina;
  • Elevação da pressão arterial;
  • Retenção de fluídos.

Fatores de risco para doença renal diabética

Os fatores de risco para a doença renal diabética podem ser classificados em:

 

1. Fatores que aumentam a suscetibilidade — idade, etnia e história familiar;
2. Fatores iniciadores — hiperglicemia;
3. Fatores progressivos — hipertensão, dieta e obesidade.

 

Enquanto os primeiros não podem ser alterados, os fatores iniciadores e os fatores progressivos podem ser controlados. Os 2 fatores de risco mais importantes para doença renal são a hiperglicemia e a hipertensão. Assim sendo, sabe-se que um controlo glicémico apertado desde cedo, tanto em doentes com diabetes tipo 1, como em doentes com diabetes tipo 2, permite prevenir danos irreversíveis a nível renal.

 

De acordo com alguns investigadores, uuma pressão arterial <150/85 mmHg por um período de tempo prolongado poderá reduzir as complicações microvasculares em comparação com pessoas com valores <180/105 mmHg. Por outro lado, um aumento de 10 mmHg na pressão arterial sistólica, chamada vulgarmente de «máxima», pode aumentar em 15 % o risco de desenvolver complicações micro e macrovasculares no rim.

O que pode desde já fazer?

Muitos dos fatores de risco para doença renal são tratáveis. Se tem diabetes poderá manter:

 

  • Os seus níveis de glicemia controlados;
  • A pressão arterial controlada;
  • Um peso saudável;
  • Ser fisicamente ativo;
  • Cuidadosamente a sua função renal controlada com a ajuda do seu médico.
artigo

272.

Prevenir a doença renal na diabetes

Por fim, junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Referências
  • Diabetes Canada Clinical Practice Guidelines Expert Committee

  • American Diabetes Association (ADA)

  • American Heart Association (AHA)

  • Anders HJ, et al., 2018.

  • Vallon V & Thomson SC (2020)

  • Koye DN, et al., 2017.

  • Williams JKY, 2017.

  • Alicic RZ, et al., 2017.

artigo
imprimir
anterior seguinte