Pub
Pub
artigo
imprimir

Prevenir quedas no idoso com diabetes

Por diversos motivos, os idosos são mais propensos a quedas. Infelizmente, também são quem pode sofrer as consequências mais desastrosas. No caso dos idosos com diabetes, o caso ainda é mais grave. Neste artigo damos-lhe algumas dicas sobre como prevenir quedas e preservar a saúde do idoso.

O processo natural do envelhecimento leva a que os idosos sejam mais propensos a quedas. A isso acresce o facto de muitas vezes terem doenças que também contribuem para uma maior facilidade em cair. É o caso da diabetes e das hipoglicemias, por exemplo. As quedas são a primeira causa de morte acidental em pessoas com mais de 65 anos. Assim sendo, é essencial prevenir quedas na terceira idade, custe o que custar.

Por que caímos mais na terceira idade?

Porque, nesta fase da vida, é natural ter:

 

  • problemas de equilíbrio e fraqueza muscular
  • pior visão
  • de tomar medicação ou estar mesmo polimedicado, o que pode ter efeitos secundários causadores de quedas
  • maior probabilidade de sofrer de demência, doença cardíaca ou tensão baixa, o que pode causar tonturas e desmaios
  • probabilidade de ter diabetes, que pode não estar bem controlada se não tiverem essa capacidade ou alguém que cuide deles. A diabetes e a medicação antidiabética podem gerar hipoglicemias (baixas de açúcar no sangue), que causam náuseas e tonturas.

 

O perigo das quedas nos idosos

 

O avançar da idade faz com que muitas pessoas tenham osteoporose. O risco é ainda mais elevado nas mulheres, uma vez que a doença está muito associada à menopausa. Ao sofrer uma queda quando se tem osteoporose, por pouco aparatosa que seja, é muito fácil partir um osso. Os punhos, braços, pernas, e o colo do fémur (articulação da anca), são normalmente os mais afetados. À extrema facilidade de quebra, junta-se a dificuldade de regeneração. Muitas vezes, isto pode significar perda de função de uma articulação ou membro. Como consequência, podemos deparar-nos com uma importante situação de dependência.

 

Psicologicamente, as quedas são também um fator de insegurança. Muitas pessoas sentem-se diminuídas ao verem «regredir» as suas funções e sentem uma «perda de independência». Isto pode levar a situações de isolamento, já que a pessoa deixa de fazer atividades do dia a dia e de se reunir socialmente por ter medo de cair.

 

Esta perda de atividade, por sua vez, deteriora cada vez mais a função muscular. E aumenta substancialmente o risco de queda. É um círculo vicioso que deve ser contrariado.

Quedas e diabetes

Por um lado, a diabetes pode provocar quedas. Por outro, as consequências de uma queda para um idoso com diabetes podem ser ainda mais graves. A diabetes causa várias situações que aumentam o risco de quedas:

 

  • perda de força muscular,
  • perceção sensorial alterada e desequilíbrio associados à neuropatia (perda de função dos nervos),
  • perda das funções cognitivas.

 

Além disso, na diabetes, existe uma maior dificuldade de cicatrização e de combate às infeções. Um idoso que caia e faça uma pequena ferida, pode sofrer consequências graves. Se a diabetes não estiver bem controlada ou se à ferida não for dada a devida atenção, pode ocorrer uma infeção difícil de curar. Ao ponto de que a única solução seja a amputação do membro ou parte dele. Além disso, a diabetes também parece aumentar o risco de fratura óssea.

artigo

452.

Combater o risco de amputação na diabetes

Como prevenir quedas

Algumas das estratégias para prevenir quedas quando se tem diabetes na terceira idade passam por:

 

  • Promover o treino de força e equilíbrio. Coisas simples como caminhar e subir escadas, ajudam a manter a força muscular. O Tai Chi também é um bom exemplo, fácil de praticar por pessoas com mais idade.
  • Reduzir a polimedicação ao mínimo para melhorar as funções cognitivas.
  • Rever a medicação, de forma a eliminar/ substituir fármacos que possam causar tonturas e sonolência.
  • Fazer uma revisão ocular e auditiva pelo menos 1 vez por ano.
  • Assegurar um bom controlo da diabetes para evitar hipoglicemias e hipotensão (tensão baixa).
  • Adotar estratégias de alívio da dor, para melhora da postura e controlo dos movimentos.
  • Utilizar calçado cómodo e seguro. Ou seja, saltos rasos, solas de borracha, do tamanho correto e sem cordões.
  • Levantar-se devagar e com cuidado, para prevenir quebras de tensão repentinas.
  • Utilizar bengalas ou andarilhos que facilitem a deslocação.

 

Fazer de casa um lugar seguro

 

  • Elimine objetos em que possa tropeçar. Além disso, mantenha o chão desimpedido, evite o uso de tapetes. Se tiver tapetes, assegure-se que que coloca um antiderrapante e os fixa ao chão.
  • Adicione barras fixas no duche ou banheira e junto à sanita.
  • Se possível, utilize um banco próprio para tomar banho.
  • Ilumine bem a casa. De dia, mantenha as cortinas abertas. Adicione pontos de luz artificial nos sítios mais escuros.
  • Assegure-se de que todos os degraus estão bem fixos.

 

O risco de quedas no idoso é tanto maior quantos mais os fatores de risco acumulados. A diabetes não é só um importante fator de risco. A ela estão associadas maiores dificuldades de recuperação em caso de queda. Por isso, é essencial prevenir quedas no idoso, e ainda mais no idoso com diabetes.

 

Por fim, junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Referências
  • National Health System UK (NHS)

  • Endocrine Practice

  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

  • National Institute on Aging (NIH)

artigo
imprimir
anterior seguinte