Pub
Pub
artigo
imprimir

A diabetes provoca inflamação?

Estarão a diabetes a inflamação relacionados? Hoje vamos descobrir o que é exatamente a inflamação e qual o seu papel na diabetes.

A inflamação é uma resposta do sistema imunitário a potenciais ataques ao nosso organismo para, desta forma, combater infeções. Esses «ataques» podem ser estímulos externos como, por exemplo, vírus, bactérias, traumatismos, feridas, queimaduras. Também pode, por outro lado, ser estímulos internos, se têm origem no nosso próprio corpo.

 

No processo de inflamação, o sangue acumula-se no local da agressão, levando até esse mesmo local diferentes células do sistema imunitário, proteínas e várias moléculas. No local afetado, os vasos sanguíneos expandem e o líquido extravasa, de maneira a que as várias células cheguem ao local pretendido. Por isso, quando temos algum trauma na pele (por exemplo, um corte) ocorre inchaço, calor, rubor (pele avermelhada) e dor. Esses sinais são chamados de sinais inflamatórios.

Os mediadores inflamatórios

O processo inflamatório é conhecido como «cascata da inflamação». A primeira fase consiste no aumento da irrigação sanguínea no local, com produção de mediadores inflamatórios. Isto é, pequenas moléculas que «chamam» os glóbulos brancos (ou leucócitos) para o local da lesão. Exemplos dessas moléculas são as citocinas, as prostaglandinas e os leucotrienos. Graças a elas, os leucócitos, nomeadamente os neutrófilos e os macrófagos, migram para o local. Sendo agentes do sistema imunitário, a sua função é eliminar os agentes patogénicos, nocivos para o organismo. Além destas, também são recrutadas células e proteínas responsáveis pela coagulação, para controlar eventuais hemorragias.

artigo

315.

Como reforçar o sistema imunitário?

O aumento do fluxo de sangue causa o alargamento dos vasos sanguíneos e, por sua vez, é responsável pelo inchaço, calor e vermelhidão típicos da inflamação. O recrutamento de vários tipos de células e mediadores inflamatórios vão causar alterações nas terminações nervosas responsáveis pelo estímulo da dor. É por isto que, quando algo está inflamado, a dor é um sintoma presente!

Inflamação aguda e crónica

A inflamação é tipicamente um fenómeno agudo. Ou seja, ocorre e resolve-se num curto espaço de tempo. No entanto, a inflamação também pode ser crónica. Ocorre quando esta persiste no tempo, sendo mais estável do que a inflamação aguda. Existem várias doenças que estão associadas a inflamação crónica: a asma, doenças autoimunes, a doença inflamatória intestinal, entre outros exemplos. A verdade é que a pode ser um processo crónico que ocorre constantemente no nosso organismo. Por vezes, doenças como a asma ou a doença inflamatória intestinal possuem crises agudas, nas quais se tem de recorrer a medicação específica.

 

E a diabetes? Será que tem relação com inflamação crónica?

Relação entre diabetes e inflamação

Vários estudos têm vindo a sugerir que existe uma relação, tanto com a diabetes tipo 1, como com a tipo 2. Sabe-se que a obesidade e o excesso de peso são fatores de risco para o aparecimento de diabetes tipo 2. O tecido adiposo, tecido no qual se acumula a gordura, é responsável pela produção de mediadores inflamatórios, causando um estado de inflamação crónico. Por sua vez, essa mesma inflamação crónica vai alterar a ação da insulina no corpo humano, provocando insulinorresistência. Esta última acaba também por contribuir para a propagação do estado inflamatório. No fundo, existe um ciclo inflamatório presente no desenvolvimento da diabetes tipo 2. No caso da diabetes tipo 1, pensa-se que a inflamação possua também um papel no seu aparecimento.

 

Apesar dos estudos promissores, ainda não se conseguiu aplicar estes conhecimentos e descobertas na prática, isto é, na criação de novos medicamentos ou terapêuticas.

Optar por uma dieta anti-inflamatória?

Existem alguns alimentos com propriedades anti-inflamatórias, que pode incluir na dieta de um diabético. São eles, por exemplo:

 

 

Apesar das suas propriedades anti-inflamatórias, devemos inseri-las com moderação na alimentação, já que também aumentam a glicemia. Por outro lado, é importante evitar os alimentos que promovem a inflamação, como:

 

  • Carnes vermelhas
  • Margarina
  • Queijos gordos
  • Gorduras

 

Para controlar a glicémia e promover uma dieta anti-inflamatória, deve introduzir estes alimentos numa alimentação equilibrada e saudável, aliada à prática de exercício físico.

 

Por fim, junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Referências
  • WebMD

  • Tsalamandris S., et al., 2019.

artigo
imprimir
anterior seguinte