Pub
Pub
artigo
imprimir

A diabetes tem cura?

A procura por uma cura para a diabetes é uma pergunta frequente e um desejo muito grande para a maior parte das pessoas que vivem com a doença. Mas, primeiro, vejamos os factos.

A diabetes é uma doença crónica. Significa isto que, apesar de a podermos controlar e fazer com que um doente possa viver a sua vida livre de sintomas mais graves, não temos ainda aquilo que podemos designar por cura – ainda que, no caso da diabetes tipo 2, as mudanças no estilo de vida possam permitir a algumas pessoas a remissão da doença.  

 

Ainda assim, quer na diabetes tipo 1 quer na diabetes tipo 2, há várias investigações em curso com resultados promissores e, quem sabe, com descobertas passíveis de se aproximarem de uma tão ansiada cura. 

Comecemos pela diabetes tipo 2

A diabetes tipo 2, o tipo de diabetes que está mais associado ao estilo de vida pode não ter cura, mas isso não significa que não hajam avanços promissores a acontecer no que à remissão diz respeito. Esta remissão acontece quando os níveis de glicemia (quantidade de glicose, ou açúcar, no sangue) estão outra vez em níveis considerados normais. 

 

Um estudo recente do Diabetes UK, do Reino Unido, que dá pelo nome de estudo DiRECT (Diabetes Remission Clinical Trial), mostrou que um programa de redução de peso, com base numa dieta hipocalórica, acompanhado pela especialidade de Medicina Geral e Familiar, conseguiu colocar em remissão muitos doentes (45,6 %, no primeiro ano, sendo que 70 % desses estavam ainda em remissão no segundo ano). Mesmo para os outros doentes, a participação no programa trouxe benefícios ao nível da melhoria da sua qualidade de vida, maior controlo dos níveis glicémicos e uma menor necessidade de medicação antidiabética. 

 

Mas atenção, este programa foi acompanhado por profissionais de saúde qualificados que fizeram um controlo apertado dos vários parâmetros da doença e acompanharam os doentes ao longo de todo o processo. 

 

Além do mais, isto não significa que a doença tenha desaparecido de vez. As pessoas em remissão devem continuar a fazer análises regulares de forma a manterem-se saudáveis – por isso, claro está, ainda que a redução de peso seja essencial no doente com diabetes tipo 2, fale sempre com o seu médico para perceber como pode fazê-lo em segurança.

E passando rapidamente pela diabetes tipo 1

No caso da diabetes tipo 1, a diabetes geralmente surge cedo e é o próprio corpo que perde a capacidade de produzir insulina ao destruir as células que a produzem. Teríamos, assim, de conseguir que o sistema imunitário interrompesse, por assim dizer, esse ataque. Um processo complexo, que vai precisar ainda de mais investigação. As boas notícias: a investigação continua a ser feita diariamente.

Por isso não, a diabetes NÃO tem cura. Mas…

Além de toda a investigação que está a ser desenvolvida, há ainda inúmeras medidas que pode adotar no seu dia a dia que farão toda a diferença ao viver com a doença. E outras que, apesar do diz-que-disse, não são de todo verdade. 

 

1. Há terapias naturais para curar a diabetes?

 

NÃO. Como vimos, a diabetes não tem cura. Ainda assim, há algumas coisas que convencionamos chamar de naturais que podem ser feitas para ajudar com os sintomas: 

 

  • Tente relaxar! O stresse emocional afeta os níveis de açúcar no sangue e, por isso, aprender a respirar e a relaxar os músculos pode ser uma grande mais-valia. 

 

  • Os suplementos alimentares, ainda que possam ajudar no controlo da glicemia, podem ser perigosos por interagir com a medicação antidiabética. Fale sempre com o seu médico e siga as recomendações que lhe forem feitas. 

 

2. As mudanças no estilo de vida podem ajudar a controlar melhor a doença?

 

SIM. Além do que já vimos acerca da possível remissão da doença, no dia a dia normal do doente diabético estas mudanças são tão importantes como a medicação: 

 

  • Aprenda a controlar os seus valores de açúcar no sangue medindo regularmente a glicemia, intervalando corretamente a alimentação com o exercício físico e a toma da medicação, e mantendo bons hábitos de sono – lembre-se que a glicemia varia durante o dia e ao longo da noite.
  • Planeie com cuidado cada refeição e prepare snacks saudáveis para evitar longos períodos do dia sem comer.
  • Faça exercício físico regularmente.
  • Mantenha em dia as suas consultas com o seu médico assistente, ou endocrinologista.
artigo

08.

O papel da alimentação no tratamento da diabetes

3. As células estaminais podem vir a curar a diabetes?

 

PROMISSOR. Lembra-se das investigações que têm vindo a ser realizadas sobre a diabetes tipo 1? Alguns cientistas têm tido resultados positivos com células estaminais: em suma com a capacidade que essas células têm de originarem qualquer outro tipo de célula para repor as células produtoras de insulina que o próprio corpo ataca, no tipo 1 da doença. 

 

4. Podemos transplantar células do pâncreas saudáveis?

 

SIM, MAS PRECISA DE MAIS INVESTIGAÇÃO. As células que produzem insulina chamam-se células β e estão localizadas numa zona do pâncreas com um nome estranho – os ilhéus de Langerhans. A opção de transplantar células para o corpo de um indivíduo diabético pode ser considerada – este começará a produzir insulina em resposta ao açúcar da corrente sanguínea, mas em contrapartida terá de tomar outro tipo de medicação para o resto da vida, evitando a rejeição das células que recebeu de um dador pelo próprio corpo. 

 

5. E um pâncreas inteiro?

 

SIM PARA PESSOAS COM DIABETES TIPO 1. Mas só deve ser considerada em casos graves, em que o doente tem, por exemplo, um estádio muito grave de doença renal.

 

6. Uma novidade chamada adipsina 

 

Um estudo de 2019 da Universidade Weill Cornell Medicine, dos Estados Unidos da América, e do hospital NewYork-Presbyterian descobriu que uma substância chamada adipsina, que é produzida na gordura corporal, ajuda a proteger da destruição as células β que produzem a insulina no corpo humano, na diabetes tipo 2. Mais, esta substância foi identificada como sendo preventiva, se em grandes quantidades na corrente sanguínea, do aparecimento da própria doença. 

 

Como pôde ver, o mundo da diabetes continua ativo na procura do conhecimento que, no amanhã, pode mudar a vida de todos aqueles que sofrem com a doença. Assim como a reposta à pergunta do início é hoje NÃO, quem sabe se o SIM não está mais próximo do que imaginamos. Até lá, adote, sempre em consonância com o seu médico, todas as medidas necessárias para poder viver a doença livre de complicações.

artigo

33.

Tipos de tratamentos para a diabetes

Fontes

Referências

  • Diabetes UK
  • Lean, et al 2017
  • WebMD
  • Medical Xpress
artigo
imprimir
anterior seguinte