Pub
Pub
artigo
imprimir

Diabetes gestacional: o que precisa de saber

Estar alerta para a diabetes gestacional é importante não só para a saúde da mãe, mas também para a saúde do bebé.

A diabetes gestacional surge quando os níveis de açúcar no sangue sobem no decurso da gravidez. É, no entanto, necessário distinguir este tipo de diabetes da «diabetes na gravidez», que acontece em mulheres que já tinham a doença antes de engravidar.

 

Apesar de ambos os tipos serem importantes, a distinção é necessária: enquanto a diabetes gestacional é uma consequência de o organismo precisar de mais insulina na gravidez, a diabetes na gravidez reflete uma diabetes prévia que não estava diagnosticada e, segundo a Direção-Geral de Saúde (DGS),  implica um maior rastreio às consequências para a mãe e para o bebé, bem como uma maior controlo e tratamento.

 

A diabetes gestacional tende a aparecer no segundo ou no terceiro trimestre e a boa notícia é que normalmente desaparece após o nascimento do bebé. No entanto, a mãe deve manter-se alerta: quem teve diabetes gestacional, tem maior probabilidade de vir a desenvolver diabetes tipo 2 e, por isso, conhecer os fatores de risco e as formas de prevenir a doença podem mantê-la afastada dessa possibilidade.

 

De acordo com o Observatório Nacional da Diabetes, em 2015 a prevalência de diabetes gestacional foi de 7,2% entre as mulheres que deram à luz, comparativamente aos 6,7% do ano anterior. Além disso, verificou-se que a prevalência aumenta com a idade, atingindo os 15,9% nas mulheres com idade acima dos 40 anos.

Diabetes gestacional: quem está em risco?

Qualquer mulher pode desenvolver diabetes gestacional. No entanto, há quem tenha um risco mais elevado de poder vir a ter:

 

  • Índice de massa corporal > 30
  • Mulheres que deram à luz bebés com > 4,5 kg
  • Historial de diabetes gestacional noutra gravidez
  • Familiar direto com diabetes

Quais são os sintomas e sinais de alerta

Normalmente, na diabetes gestacional as mulheres não dão pelos sintomas e a condição acaba por ser detetada através dos exames feitos durante a gravidez. O rastreio da diabetes faz, de resto, parte dos exames a realizar nas gestantes. Ainda assim, e com valores de glicemia altos, podem surgir os sintomas típicos da diabetes, como:

 

  • Sede e boca seca
  • Frequente vontade de urinar
  • Cansaço

 

Note que alguns destes sintomas são também comuns durante a gravidez e, por isso, podem não ser sinal de diabetes gestacional. Em caso de dúvida, fale com a sua equipa de saúde sobre os seus sintomas e preocupações.

A diabetes gestacional pode causar problemas?

Com o devido controlo, a maior parte das mulheres dá à luz bebés saudáveis. No entanto, a hiperglicemia durante a gravidez pode causar alguns problemas:

 

  • Parto prematuro
  • O bebé pode nascer grande, com potenciais riscos na hora do parto
  • Pré-eclâmpsia, uma condição que faz com que a pressão arterial suba
  • Polihidramnio, uma condição em que há um aumento do líquido amniótico

 

Segundo a DGS, os filhos de mulheres com diabetes gestacional «têm um risco significativo de complicações a longo prazo», podendo vir a ter:

 

  • Diabetes tipo 2
  • Hipertensão arterial
  • Obesidade
  • Síndrome metabólico
  • Alterações nos lípidos sanguíneos
  • Alterações no neurodesenvolvimento.
artigo

22.

Hiperglicemia: o que é e o que fazer

Tratamento da doença

Uma vez tendo o diagnóstico é fundamental manter o controlo dos níveis glicémicos. Para isso é, assim, necessário manter uma alimentação saudável e equilibrada, bem como um estilo de vida ativo e adequado à gravidez.

 

A DGS recomenda que a mulher siga um plano alimentar elaborado por um nutricionista ou dietista, que tenha em consideração o seu estado nutricional e os antecedentes clínicos, bem como os seus  hábitos alimentares e socioculturais.

 

Procure fazer exercício adequado à gravidez. Há mulheres que conseguem controlar a diabetes gestacional apenas com modificações do estilo de vida. Ainda assim, se os níveis de glicemia estiverem muito altos, o médico poderá recomendar tratamento farmacológico.

 

Se já teve diabetes gestacional e está a pensar engravidar, não deixe de se preparar para a chegada do novo rebento: pode voltar a ter a doença e, por isso, considere consultar o seu médico e fazer um bom controlo dos níveis de glicemia antes de engravidar.

 

Fontes

Referências

  • Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD)
  • National Health System UK (NHS)
  • WebMD
artigo
imprimir
anterior seguinte