Pub
Pub
artigo
imprimir

Enfarte do miocárdio: o que precisa de saber

Saber reconhecer um ataque cardíaco pode salvar a sua vida ou a de alguém próximo. Informe-se mais sobre este tema.

O enfarte do miocárdio, designação médica do conhecido «ataque cardíaco», é uma emergência médica que requer tratamento imediato. Saber reconhecer um ataque cardíaco é fundamental e pode salvar vidas. Mas, antes de mais, comecemos pelo início.

O que é um enfarte do miocárdio?

O enfarte do miocárdio, ou ataque cardíaco, ocorre quando o oxigénio que chega através do sangue às células do músculo cardíaco é demasiado baixo ou inexistente. Sem oxigénio suficiente, as células do músculo cardíaco morrem por isquémia (falta de oxigénio) prolongada e severa. Devido à dependência do músculo cardíaco de oxigénio e nutrientes para o seu normal funcionamento, quando estes não estão presentes, a contração do músculo fica comprometida e este deixa de ser funcional. Isto é,  ocorre falência cardíaca.

Causas de enfarte do miocárdio

O enfarte do miocárdio pode ocorrer em qualquer idade, apesar de ser bastante mais frequente em idades superiores a 65 anos. Além disso, a sua incidência é progressivamente mais elevada em pessoas com predisposição genética e um estilo de vida que leve ao desenvolvimento de aterosclerose. Esta pode ser definida como a presença de depósitos de gordura, chamados de placas de aterosclerose, nas paredes dos vasos sanguíneos. A aterosclerose é uma causas mais comuns do estreitamento das artérias coronárias, que transportam o sangue até às células do músculo cardíaco.

 

A doença coronária, que consiste na insuficiência das artérias coronárias em proporcionarem ao músculo cardíaco os nutrientes e o oxigénio de que este necessita para manter a sua atividade, é a causa mais comum de enfarte do miocárdio.

 

Outras causas menos comuns de enfarte do miocárdio são:

 

  • Consumo de drogas como cocaína e as metanfetaminas, que podem causar uma constrição das artérias coronárias, reduzindo o sangue que passa para o músculo cardíaco;

 

  • Falta de oxigénio no sangue devido a envenenamento por monóxido de carbono ou mau funcionamento dos pulmões.

Como reconhecer um ataque cardíaco?

O enfarte do miocárdio é uma emergência médica, e como tal é importante que se reconheçam os seus sintomas, pois requer intervenção imediata. Estes podem apresentar-se de formas diferentes, não sendo por vezes fácil de identificar.

 

Segundo a Sociedade Portuguesa de Cardiologia e o NHS (Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido) alguns dos sintomas de enfarte do miocárdio são:

 

  • Dor no peito prolongada (normalmente descrita como uma sensação de aperto, peso ou pressão que pode irradiar para os braços, esquerdo ou direito, mandibula, pescoço, costas e abdómen);
  • Sudação, náuseas ou vómitos;
  • Falta de ar;
  • Sensação de ansiedade.

 

Geralmente, a sensação de dor no peito é proeminente. No entanto, em alguns casos pode ocorrer uma dor mais ligeira ou uma sensação mais parecida com a de uma indigestão. A neuropatia diabética contribui para que os sintomas do enfarte do miocárdio em alguns doentes com diabetes sejam difíceis de detetar. Este enfarte «silencioso» tem consequências não só na dificuldade do seu diagnóstico, como no seu tratamento. Contudo, este pode ser diagnosticado através de análises ao sangue e por eletrocardiograma, entre outros exames. Especialmente mulheres, pessoas de idade mais avançada e doentes com diabetes, devem estar atentos a sintomas mais ligeiros, para que um episódio de enfarte seja detetado a tempo e seja realizada intervenção médica imediata.

 

O que deve fazer se reconhecer os sintomas?

 

Segundo as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS), em caso de suspeita deve:

 

  • Ligar para o 112 o mais rapidamente possível e descrever a sintomatologia. Os serviços de emergência pré-hospitalar podem confirmar o diagnóstico no local onde se encontra, efetuar eletrocardiograma e realizar o transporte em segurança. Este é o passo mais importante, pois o intervalo de tempo entre o início dos sintomas e o tratamento é determinante;

 

  • Enquanto aguarda a equipa de emergência pode tomar ácido acetilsalicílico 100 ou 250 mg.

 

O enfarte do miocárdio pode ser potencialmente fatal se não pedir ajuda no tempo devido! No entanto, as lesões por falta de oxigénio nas células do músculo cardíaco podem ser reversíveis, se detetadas de forma atempada. Após a alta, são essenciais alterações no estilo de vida, bem como tratamentos para reduzir o risco de novos episódios. Tão ou mais importante do que o tratamento do enfarte é a sua prevenção. Não deixe a sua saúde para segundo plano!

Fontes

Referências

  • Robbins & Cotran (2005)
  • National Health System UK (NHS)
  • Sociedade Portuguesa de Cardiologia
  • DireçãoGeral da Saúde (DGS)
artigo
imprimir
anterior seguinte