Pub
Pub
artigo
imprimir

O que é a diabetes tipo LADA?

Diabetes tipo LADA. Nunca ouviu falar? Nada tema, temos um artigo preparado para si que vai das origens da doença ao seu tratamento. Um bê-a-bá sobre o tema, com muita informação que lhe poderá ser útil, mesmo que não tenha a doença.

Sabe quantos tipos de diabetes existem? O mais provável é que só se lembre de 2. Além dos mais conhecidos tipos 1 e 2 (e, vá, a diabetes gestacional), existem outros tipos de diabetes menos conhecidos, e que ocorrem com muito menos frequência, mas que têm características próprias.Um exemplo disso é a diabetes tipo LADA.

 

Este é um tipo de diabetes que costuma ser confundido com a diabetes tipo 2, mas que ao contrário desta é uma doença autoimune (como a diabetes tipo 1) e afeta os doentes de maneira bem diferente.

Origens e prevalência

A insulina (a hormona que permite ao corpo utilizar o açúcar que consumimos) é produzida por grupos de células do pâncreas, nos chamados de ilhéus de Langerhans. Nos ilhéus existem vários tipos de células. Às células que produzem insulina, chamamos células beta.

 

Normalmente, o corpo humano, além de produzir insulina, produz também substâncias chamadas de anticorpos, que têm funções de defesa do organismo. Estes identificam, também, células indesejáveis para que sejam destruídas (células cancerígenas, por exemplo). Por vezes, esses anticorpos são produzidos para atacar as células do próprio corpo. É o que acontece na diabetes tipo 1, por exemplo, em que são produzidos anticorpos que atacam as células beta produtoras de insulina – e é por isso que lhe chamamos de doença autoimune.

 

Em 1986, um grupo de investigadores reportou um tipo de diabetes onde, apesar da presença deste tipo de anticorpos, a função das células beta estava mais ou menos preservada. Por isso mesmo, foi primeiro classificado como um tipo de diabetes 1, mas latente. Mais tarde, em 1994, este tipo de diabetes foi finalmente nomeado de latent autoimmune diabetes in adults, ou LADA, exatamente pela sua progressão lenta, ainda que autoimune como a diabetes tipo 1.

Como é que a diabetes tipo LADA se compara com os outros tipos de diabetes?

É curioso perceber que, apesar de a diabetes tipo LADA ter características que se podiam assemelhar mais à diabetes tipo 1, ela é muitas vezes confundidas com a diabetes tipo 2.

 

Isto porque a diabetes tipo LADA se desenvolve ao longo do tempo (durante anos, muitas vezes) e é, muitas vezes, detetada em adultos, como a diabetes tipo 2. O que não acontece no caso da diabetes tipo 1, que aparece na infância ou adolescência, geralmente, e que se desenvolve muito rapidamente. Outra das semelhanças é que a maior parte das vezes os doentes não têm logo que começar a tomar insulina – à semelhança da diabetes tipo 2, alterações de estilo de vida e medicação por via oral serão em princípio suficientes numa primeira fase da doença.

 

Por tudo isto, a diabetes tipo LADA é até algumas vezes conhecida como diabetes tipo 1.5.

 

Mas o que acontece de diferente neste caso?

 

Ao contrário do que acontece na diabetes tipo 1, em que os anticorpos produzidos são maioritariamente de um determinado tipo, na diabetes tipo LADA os doentes produzem um tipo de anticorpos chamados anti-GAD.

 

GAD, ou glutamato descarboxilase, é o nome de uma enzima muito importante no organismo. Entre outras funções, ajuda o pâncreas a desempenhar corretamente o seu papel. Ou seja, quando o corpo começa a produzir anticorpos anti-GAD, as células produtoras de insulina começam a ser destruídas e a sua função fica comprometida.

 

artigo

20.

Os tipos de diabetes menos conhecidos

Do diagnóstico da doença…

A diabetes tipo LADA é a forma mais prevalente de diabetes autoimune nos adultos, a maior parte com menos de 50 anos, pelo que este é um bom primeiro critério para o médico fazer o diagnóstico. À idade juntam-se outros: presença de sintomas agudos, índice de massa corporal (IMC) < 25 kg/m2 (ou seja, peso considerado normal) e história pessoal ou familiar de outras doenças autoimunes. A presença de pelo menos duas destas características clínicas é indicadora da doença.

 

De seguida, o médico tem de distinguir o tipo de anticorpos que podem estar presentes para poder pôr de lado outros tipos de diabetes. Na diabetes tipo LADA os anticorpos que costumam aparecer na diabetes tipo 1 são raros, enquanto os GADA são característicos (90 % de positividade).

 

Além disso, comparativamente com a diabetes tipo 2 (onde os doentes tendem a ter excesso de peso ou obesidade), os indivíduos com LADA costumam apresentar um melhor perfil metabólico (açúcar no sangue, função renal, etc.), IMC mais baixo e tensão arterial mais controlada.

… aos sintomas

Os primeiros sintomas de diabetes tipo LADA incluem:

 

  • Cansaço constante ou cansaço regular depois das refeições;
  • Cabeça ausente;
  • Fome logo depois das refeições.

 

No entanto,  medida que a doença evolui, a capacidade do doente para produzir insulina vai também diminuindo (o corpo continua a destruir as células), o que leva a sintomas como:

 

  • Dificuldade em controlar a sede;
  • Necessidade frequente em urinar;
  • Visão turva;
  • Formigueiro (pode estar associado a complicações nos nervos, pelo que deve ser visto com o médico).

Tratamento

O tratamento da diabetes tipo LADA tem muitas semelhanças com o tratamento dos outros tipos de diabetes. Inicialmente, há muitas coisas que o médico vai recomendar ao doente diabético. Por etapas, o mais normal será:

 

  • Restrição do consumo de calorias e aumento do exercício físico, para controlo do peso;
  • A toma de antidiabéticos orais;
  • A determinada altura, será necessário incitar a terapêutica com insulina.

 

Detetar os sintomas numa fase inicial irá ajudar a prevenir, por exemplo, consequências mais gravosas que a diabetes não controlada pode trazer a longo prazo. Há alguma evidência de que o início da toma de insulina, mais cedo do que seria necessário, pode beneficiar a evolução da doença. No entanto, o médico guiará os doentes por este processo e tomará essas decisões clínicas em conformidade com cada caso.

artigo

40.

As complicações da diabetes

Junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Referências
  • Vander, Sherman & Luciano (2006)

  • Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP)

  • Medical News Today

  • Stenström, G et al., 2005.

  • Pihoker, C et al., 2005.

  • Diabetes UK

artigo
imprimir
anterior seguinte