Pub
Pub
artigo
imprimir

Os batimentos cardíacos têm significado na diabetes?

A frequência e ritmo dos batimentos cardíacos são indicadores importantes da sua saúde cardiovascular. Assim, mesmo não sendo exclusiva para pessoas com diagnóstico de diabetes, a sua monitorização pode ser relevante nestes casos. Saiba porquê!

A frequência cardíaca indica-nos o número de batimentos cardíacos durante 1 minuto. No caso de um adulto saudável a frequência cardíaca, em repouso, encontra-se, normalmente, entre os 60 e os 100 bpm (batimentos por minuto). Contudo, estes números podem variar de pessoa para pessoa ou sob determinadas condições (como, por exemplo, devido ao calor, humidade, emoções ou consumo de cafeína).

 

Batimentos cardíacos acelerados (taquicardia), lentos (bradicardia) ou arrítmicos (arritmia) podem estar associados a várias condições cardiovasculares, alterações metabólicas, obesidade, desregulação dos níveis de glicemia ou resistência a insulina.

Os batimentos cardíacos na diabetes

Sabemos que diabetes pode influenciar diretamente a frequência cardíaca em repouso. Uma vez que, níveis elevados de insulina  e de glicose no sangue (hiperglicemia) podem estar associados a uma frequência cardíaca mais elevada.

 

Alguns estudos sugerem, ainda, que existe um risco agravado de alterações no batimento cardíaco em casos de hipoglicémia noturna (quando os níveis de glicemia descem abaixo do recomendado durante a noite).

Sabe medir a sua frequência cardíaca?

É cada vez mais comum a utilização de aparelhos de medição de frequência cardíaca, como os relógios inteligentes, ou os monitores de atividade. Contudo, tenha em atenção que estas medições são tanto mais fidedignas quanto maior for a qualidade do aparelho. Assim sendo, a forma mais simples de saber a sua frequência cardíaca é através de um medidor digital de pressão arterial, onde este parâmetro também pode ser observado.

 

No entanto, se não tiver acesso a um medidor digital, consegue medir a sua frequência cardíaca da seguinte forma:

 

  • Vai precisar de um relógio normal para contar 1 minuto (ou 60 segundos);
  • Se exerceu algum tipo de esforço ou atividade recente, deve aguardar pelo menos 5 minutos antes de proceder à medição;
  • De seguida pode colocar os dedos indicador e médio sobre a parte interna do pulso ou sobre a porção lateral do pescoço;
  • Sinta a sua pulsação;
  • gora só tem que contar o número de pulsações que sente durante 60 segundos (ou durante 30 segundos e multiplicar por 2), sendo essa, a sua frequência cardíaca.

 

Se recorrer a este método de medição, consegue, não só quantificar a sua frequência cardíaca, mas também sentir se o seu pulso é ou não regular ou rítmico.

 

E se o seu batimento cardíaco é irregular?

 

Quando as suas pulsações não são regulares ou rítmicas, este pode ser um sinal de arritmia. Este é um fator importante a ter em mente, uma vez que a diabetes está associada a um aumento de cerca de 40% do risco de desenvolver fibrilhação auricular, a forma crónica mais comum de batimento cardíaco irregular.

 

A deteção de um pulso irregular pode não significar que que tem uma doença cardíaca. Contudo, se tem diabetes e apresenta alterações dos batimentos cardíacos, como por exemplo palpitações frequentes e persistentes, é importante que procure o seu médico. Experimente hoje monitorizar os seus batimentos cardíacos, comece a cuidar de si!

artigo

169.

Prevenir as doenças cardiovasculares na diabetes

Por fim, junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Fontes

Referências

  • Sun Y & Hu D, 2010
  • Hillis GS, et al, 2012
  • Diabetescouk
  • Diabetes SelfManagement
  • National Health System UK (NHS)
  • American Heart Association (AHA)
  • Heart Foundation
  • UWHealth
  • DiabetesOnline
  • WebMD
artigo
imprimir
anterior seguinte