Pub
Pub
artigo
imprimir

Quem tem diabetes pode comer banana?

Há muita gente que acredita, erradamente, que os diabéticos não podem comer fruta. Por ser um alimento rico em frutose, também há quem pense que este fruto exótico lhes está completamente vedado. Mas, afinal, a realidade é bem diferente.

Somos o que comemos e, no caso dos diabéticos, esta afirmação é ainda mais importante. A alimentação é um dos fatores essenciais do tratamento da diabetes e é um desafio para que vive com a doença. As escolhas são decisivas. Para além de procurar manter os valores de glicemia no sangue recomendados, o que ingerimos também serve para evitar problemas de saúde que, associados à diabetes, agravam o prognóstico. É o caso da obesidade, da hipertensão e/ou do colesterol e dos triglicéridos elevados.

 

Há muita gente que acredita que os diabéticos não podem comer fruta por causa da frutose, o açúcar natural presente neste tipo de alimentos. Mas, na verdade, não é bem assim. No caso de quem está dependente de insulina, desde que façam uma alimentação equilibrada, podem ingeri-la diariamente, com conta, peso e medida. Por outro lado, quem sofre de diabetes tipo 2 não devem, no entanto, ultrapassar 2 peças por dia.

 

As vitaminas e os sais minerais das frutas são benéficos para a saúde, inclusive de quem sofre com diabetes. Os diabéticos devem, todavia, privilegiar frutos que tenham um teor de açúcar inferior ou igual a 11 g por 100 g de produto, como é o caso destes:

Frutos com um baixo teor de açúcar

  • Morango (cerca de 4 g / 100 g)
  • Framboesa (cerca de 4,2 g / 100 g)
  • Amora (cerca de 6 g / 100 g)
  • Melão (cerca de 6 g / 100 g)
  • Toranja (cerca de 6,2 g / 100 g)
  • Marmelo (cerca de 6,3 g / 100 g)
  • Groselha (cerca de 6,4 g / 100 g)
  • Melancia (cerca de 7,3 g / 100 g)
  • Laranja (cerca de 8 g / 100 g)
  • Pêssego (cerca de 8,1 g / 100 g)
  • Quivi (cerca de 8,4 g / 100 g)
  • Alperce (cerca de 9 g / 100 g)
  • Pera (cerca de 9,1 g / 100 g)

 

artigo

398.

As melhores opções de frutas para diabéticos

Então e a banana?

Uma das crenças que persistem é a de que os diabéticos não podem, de todo, comer bananas. E, com um teor médio de açúcar na ordem dos 20,5 g por 100 g, este fruto não pode, na realidade, ser comido à discrição por quem sofre de diabetes. No entanto, também não tem de ser riscado da lista. Desde que consumida com moderação, a banana pode fazer parte da alimentação de um diabético.  

 

Além disso, as vitaminas, fibras e sais minerais desta fruta são bons para quem sofre desta patologia. Os autores de um estudo científico realizado em 2014 concluíram que o consumo ocasional de banana não tem um impacto negativo no aumento da glicose na corrente sanguínea. Em 2017, uma outra investigação, envolvendo 500.000 voluntários, apurou que os frutos com um índice glicémico mais baixo são, de facto, mais seguros para os diabéticos.

 

Mas, desde que ingeridos com conta, peso e medida, também os que têm um índice glicémico mais elevado, reduzem o risco de agravamento da diabetes. A American Diabetes Association (AHA) também recomenda a sua ingestão. Ou seja, na lista de frutos que sugere, inclui a banana. O ideal é, todavia, comer de forma ocasional uma, mas com o tamanho das bananas da Madeira ou apenas metade.

 

Outro dos conselhos é consumi-las juntamente com uma fonte de gordura não saturada. Ou seja, com um pequeno punhado de amêndoas, nozes, pistácios e/ou sementes de girassol, por exemplo. Há especialistas que sugerem a sua associação a uma fonte de proteína, como o iogurte grego magro, para aumentar o grau de saciedade e reduzir a necessidade de petiscar ao longo do dia, o que é também uma forma de manter os níveis de glicemia controlados.

 

Por fim, junte-se à comunidade Diabetes 365º!

artigo
imprimir
anterior seguinte