Pub
Pub
artigo
imprimir

Sintomas de depressão? Está na hora de agir!

A saúde mental afeta todos os aspetos da sua vida, incluindo um bom controlo da diabetes. A depressão e a angústia são duas das principais perturbações psiquiátricas sentidas por quem tem diabetes. Por isso, saiba como identificar os sintomas de depressão e o impacto desta relação para a saúde.

As pessoas com diabetes têm uma probabilidade de 2 a 3 vezes superior de vir a ter uma depressão durante a sua vida, em comparação com quem não tem diabetes. Por outro lado, sabe-se também que as pessoas com depressão têm um risco aumentado de vir a ter diabetes.

 

Quando a diabetes e a depressão coexistem num indivíduo, as consequências para a sua saúde são significativas. Ou seja,  poderá haver uma redução da qualidade de vida, uma pioria das complicações da diabetes e uma diminuição da esperança de vida.

 

Além disso, o medo e a ansiedade associados à situação pandémica poderão ser assoberbantes. As medidas de saúde pública, como o distanciamento social, podem fazer com que se sinta isolado e só, aumentando os seus níveis de stresse. Assim sendo, em pessoas com uma predisposição maior para sofrer de doenças psiquiátricas, como a depressão nas pessoas com diabetes, é importante manter uma atitude vigilante e saber reconhecer os sintomas.

A depressão é mais do que estar de «mau-humor»!

Apenas 25 a 50% das pessoas com diabetes e depressão são diagnosticadas e tratadas. Além disso, os sintomas de depressão podem variar de indivíduo para indivíduo, pelo que saber identificá-los pode ser um desafio.

 

Os sintomas da depressão podem ser desde ligeiros a graves, e incluem:

 

  • Sentir-se triste ou «vazio»;
  • Perder o interesse nas suas atividades favoritas;
  • Comer em excesso ou não ter apetite;
  • Dormir mais do que o normal ou não conseguir dormir;
  • Dificuldade em concentrar-se ou em tomar decisões;
  • Sentir-se muito cansado;
  • Sentir-se sem esperança, irritável, ansioso ou com sentimentos de culpa;
  • Dores no corpo, dores de cabeça, cãibras ou problemas digestivos;
  • Pensar em suicídio ou morte.

O diagnóstico de diabetes fará diferença no desenvolvimento de depressão?

Tem-se verificado um aumento do número de pessoas com depressão e diagnosticadas com diabetes. Todavia, não foi demonstrado que o risco de vir a sofrer de depressão é maior em pessoas com diabetes, mas que não sabem que têm a doença.

 

Não é claro como é que a diabetes possa estar relacionada com o desenvolvimento de depressão em pessoas diagnosticadas vs. pessoas que não foram ainda diagnosticadas. Assim sendo, sugere-se que a carga psicológica do diagnóstico de diabetes, associada à necessidade de controlar uma doença crónica e de gerir as sua complicações, possa explicar em parte esta observação. Contudo, tal não exclui que possam existir fatores de origem biológica que justifiquem esta diferença.

Quais as consequências da depressão em pessoas com diabetes?

As pessoas com diabetes e depressão têm uma pior perceção da sua própria saúde do que as pessoas com outras doenças crónicas. Para além disso, a depressão está também associada um comprometimento da forma como estes doentes cuidam de si próprios e a um pior controlo metabólico. O risco de demência, que por si só é maior em pessoas com diabetes, aumenta ainda mais quando conjugado com a depressão.

artigo

75.

Prevenir a depressão na diabetes

A depressão na diabetes é, como consequência, associada a um número superior de complicações da diabetes, um maior peso para o sistema de saúde, mais custos em saúde e uma maior taxa de mortalidade.

Angústia relacionada com a diabetes

Em contraste com a depressão, a angústia relacionada com a diabetes é uma situação de stresse emocional devida às dificuldades de viver com uma doença crónica.

 

Viver com a diabetes pode ser complexo, desafiante e, por vezes, confuso. Por isso, os doentes podem sentir-se frustrados, zangados, desencorajados e/ou assoberbados com as demandas exigidas pelo controlo da doença. Para alguns doentes, esta pressão pode resultar em que adotem hábitos prejudiciais, anos após uma boa gestão da doença. Quando os desafios da autogestão da doença afetam o doente do ponto de vista emocional, este pode passar a sofrer de angústia relacionada com a diabetes. Estima-se que nos primeiros 18 meses após o diagnóstico, 33 a 50 % das pessoas com diabetes venham a sofrer de angústia relacionada com a diabetes.

 

Muitos sintomas desta condição são também apresentados na depressão (como, por exemplo,  a letargia, irritabilidade e alterações no peso), o que dificulta a distinção entre as duas condições.

Sintomas de depressão? È preciso agir!

Em primeiro lugar, lembre-se que é importante prestar atenção aos seus sentimentos. Se perceber que está a sentir-se frustrado, cansado ou incapaz de tomar decisões sobre a autogestão da diabetes, tome uma atitude. Procure a sua família, amigos e profissionais de saúde!

 

Junte-se à comunidade Diabetes 365º!

Referências
  • Lloyd CE et al., 2012.

  • Fiore V, et al., 2015.

  • Dieter T, et al., 2018.

  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

artigo
imprimir
anterior seguinte